25490003

Tonacci caminha com o índio sem ilusões

Carlos Alberto Mattos* A primeira cena de Serras da Desordem mostra um índio nu sozinho na floresta (mais tarde saberemos que é Carapiru, o protagonista do filme). Meticulosamente, ele corta folhas de palmeira para fazer uma espécie de cama e produz fogo com pedaços de pau. Nada parece conspurcar aquele quadro idílico de um homem…

big

A bênção da fé

Daniel Caetano* Eu sou um sujeito cuja relação com a religião é típica do nosso tempo, sobretudo com o catolicismo que me batizou – me afastei completamente das questões da fé religiosa e, mais do que descrença, trato isso com a distância de um estrangeiro, ou melhor, de alguém que se afasta a ponto de…

ja-visto

Já visto, jamais visto

Alysson Oliveira * No começo dos anos de 1970, o diretor Andrea Tonacci balançou os alicerces do cinema com seu “Bang Bang”, um filme anárquico, divertido e ácido sobre o estado das coisas e da cultura. Em 2009, novamente, com “Serras da Desordem”, questionou os limites do documentário e da representação, colocando em foco a…

19293_1067_foto_serrasdadesordem_div

Serras da Desordem

Neusa Barbosa* Concluído em 2005, premiado com três troféus em Gramado em 2006 – melhor filme, direção e fotografia -, este aguardado trabalho do ítalo-brasileiro Andrea Tonacci chega ao circuito com a vocação de diluir fronteiras, reais e imaginárias. Para começar, “Serras da Desordem” problematiza sua classificação – é documentário, ficção, as duas coisas ao…

22rx_905

Andrea Tonacci – O homem é um ser que caminha

Rodrigo Grota* “Agora.. por quê a poesia? Porque a poesia te joga brechas, te dá espaços. Ela não te dá certezas, ela não te dá pedras.. Ela te dá o espaço entre as pedras.” * Quando ouvimos Billie Holiday não sentimos apenas a sua voz, o seu ritmo, o arranjo dos músicos – há toda…