Dois personagens bem brasileiros

Por Mônica Kanitz* Simplicidade e bom humor foram as qualificações do júri da crítica para considerar MAMATA como o melhor curta da mostra competitiva do 50o Festival de Cinema de Brasília. Com quase 30 minutos de duração, o filme do diretor baiano Marcus Curvelo propõe uma reflexão sobre a total falta de esperança no Brasil…

Foto: Rômulo Juracy

50º Festival de Brasília: Múltiplo

Ricardo Daehn* Assentada a cintilante névoa de celebração do Cinema Brasileiro, com o sumo da boa arte que resplandece no Festival de Brasília, o cinqüentão evento deixou o legado: múltiplo – com mostras paralelas tão vistosas quanto a competitiva – favoreceu a comunhão de talentos com expressão cunhada em edições anteriores ao próprio evento. Auto…

Assalto ao 13º quilombo

O NÓ DO DIABO, de Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi Assalto ao 13º quilombo Por Fabrício Cordeiro*   Dividido em cinco episódios e dirigido por quatro jovens diretores (Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi), O Nó do Diabo abre com o plano de uma casa grande…

Brasília 50 – Uma reflexão do olhar

Por Carlos Helí de Almeida* Foi o diretor mineiro Affonso Uchoa, co-autor, com João Dumans, de “Arábia”, grande vencedor do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, realizado em setembro, quem alertou para o tom dos debates que predominou ao longo dos 10 dias de contenda. “Fiquei um tanto espantando com a disputa em torno de…

MAMATA, um filme brasileiro

Por Marcelo Ikeda* Woody Allen dizia que tudo o que um cineasta precisa é de um pouco de autoestima. Quis o destino que, depois de quase uma década de trabalho, o CUAL – e o cinema de Marcus Curvelo – tivesse o reconhecimento do maior festival de cinema do país e assim que saísse do…

Era uma vez Brasília não cumpre o que promete

Por Ivonete Pinto* É de se admirar a capacidade de alguns críticos em Brasília em conseguir organizar as ideias em torno de Era uma vez Brasília (2017) e até defender o filme com segurança, apontando para detalhes do enredo. De fato, poucos tiveram essa capacidade, e esta autora não se encontra entre eles. Ter assistido aos anteriores A…

Divulgação: Igor Souza

Longa de cineastas baianos discute dificuldades enfrentadas por mulheres

Por Rafael Carvalho* Dentro da Mostra “Esses Corpos Indóceis”, do Festival de Brasília, os cineastas baianos Maria Carolina da Silva e Igor Souza apresentaram o inédito longa-metragem “Diário de Classe”. O filme investiga o processo de alfabetização de jovens e adultos na periferia de Salvador. Para isso, aproximam-se de três personagens centrais, três mulheres que…