Drama tcheco investiga os efeitos do bullying

 201608820_1_IMG_FIX_700x700.jpg
Adolfo Gomes *
Para se afastar do cariz oportunista da “biopic”, os realizadores tchecos Tomás Weinreb e Petr Kazda lançaram mão de todo o arsenal minimalista da austeridade: fotografia em preto e branco, narrativa lacunar, personagens freudianamente anímicos e fidelidade histórica. “Eu, Olga Hepnarová” (Já, Olga Hepnarová, República Tcheca, 2016) na sua platitude formal aspira, portanto, negar as facilidades eventuais do chamado “succès de scandale”, que remete a outro filme de título semelhante e cuja associação é quase automática para quem já passou dos 40 anos: “Eu, Christiane F…”
 
Então, entre a banalidade do  “fait divers” e a cerimônia do episódio cravado na história, esse drama tcheco, uma das atrações da Mostra de SP, refaz o percurso de uma jovem que, na ressaca da primavera de Praga, ousou afirmar sua liberdade pessoal através do assassinato aleatório de “inocentes” transeuntes. Após proceder, em sua cabeça, o julgamento da sociedade – e dele fazer um registro epistolar- ela sentencia a quem estiver no seu caminho a pena sumária de “morte por atropelamento”.
 
Não se pode criticar os cineastas de psicologismo demasiado ou frieza no tratamento do tema. O que ressentimos aqui é de um tom menos ambíguo. Espera-se de um filme construído em “primeira pessoa” – a versão dos acontecimentos conforme as lembranças do narrador – não necessariamente precisão ou verossimilhança, mas, pelo menos, um ponto de vista. “Eu, Olga Hepnarová”, ao contrário das expectativas básicas, é difuso no olhar que oferece sobre  a via crucis da sua protagonista. Por vezes, é distanciado no registro documental e monocórdio da mecânica das instituições sociais (o Estado, a família, a escola, o ambiente de trabalho); em outras ocasiões, busca a empatia com o isolamento afetivo da anti-heroína se valendo dos códigos do romance de formação.
 
O resultado de tal indecisão é uma certa indiferença que consolida o caminho para um certo “panfletarismo” do mal. Aqui a maldade não irrompe como uma força (sem controle) da natureza, não é amplificada pelo efeito assustador do acaso.É sempre tutelada pela caricatura da mãe insensível, do automatismo da assistência social, da amante fugaz, do médico “blasé”. Sequer a sequência do assassinato, filmada quase toda em um incômodo plongée, consegue impor a dimensão trágica deste gesto transgressivo .
No julgamento para valer, a que é submetida, Olga se aparta dos seres humanos, argumenta que suas ações correspondem à demanda suicida do “prügelknabe”( na tradução literal, bode expiatório), àquele a quem o mundo submeteu ao bullying supremo da expiação pelos pecados alheios. É o corte visceral que o filme se recusa fazer: romper com a lógica fatalista do martírio para plasmar o desespero capital de se sentir irremediavelmente só, isolado.
* Adolfo Gomes é crítico e curador de cinema
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s