Dossiê Festival de Paulínia (I)

Por Rafael Carvalho (Bahia)

Bem Vindo a Nova York

Bem-Vindo a Nova York 

Poderia ser somente a alegoria de um escândalo sexual ultramidiatizado, mas Abel Ferrara preferiu fazer um filme de combate, para além do denuncismo. O caso do então diretor-geral do Fundo Monetário Internacional, o francês Dominique Strauss-Kahn, que assediou sexualmente a camareira de um hotel em Nova York, é reapresentado aqui, sob o olhar ferrenho de Ferrara, uma espécie de filho maldito do cinema independente norte-americano.

Os nomes dos personagens estão mudados, mas os indícios são explícitos. O filme não mascara o soco que dá na pessoa de Strauss-Kahn, naquilo que ele representa de grotesco, machista e prepotente. Ao mesmo tempo, ele personifica também o universo do dinheiro que movimenta o mundo, apontando para as sujidades que há no mundo monetário.

Clique para ler mais

A Historia da Eternidade

A História da Eternidade 

A poesia bruta do sertão explorada mais uma vez. Camilo Cavalcante passeia pelos tipos que já foram largamente utilizados nesse tipo de ambiência: garota de família patriarcal tem sonho pulsante em conhecer o mar; o tio, um artista incompreendido, o pai, um bruto; em outros núcleos, há ainda o neto que retorna à terra natal, para alegria da avó, e o sanfoneiro cego que clama o amor de uma mulher em luto pela morte do filho pequeno.

São histórias que se entrecruzam na paisagem árida do interior nordestino, com suas regras e morais instituídas. Chega a ser um risco manipular velhos temas e tipos batidos desse ambiente já tão exposto nas artes em geral. O que sustenta o filme é a direção segura de Cavalcante, sua estreia no longa-metragem depois de um extenso trabalho com curtas.

Clique para ler mais

Aprendi a Jogar com Você 01

Aprendi a Jogar Com Você

Mais um documentário de observação, mais uma proposta de cinema direto, mais um personagem no cenário da música em busca do sucesso. “Aprendi a Jogar com Você”, de Murilo Salles, segue o DJ Duda e sua esposa Milka Reis pelas cidades-satélites de Brasília. Eles fazem algo como uma música de guerrilha e não escondem seu objetivo principal de ganhar dinheiro e tornarem-se conhecidos.

Se não há nada muito novo nesse tipo de abordagem, há trunfos aqui: um protagonista muito bom, engraçado, que se doa ao filme, e ainda uma participação dele longe de ser inocente. Há algo de esperteza nele que não esconde um falseamento da noção de documentário como registro dessa coisa chamada “real”.

Clique para ler mais

——–

Por Edu Fernandes (São Paulo)

As-férias-do-pequeno-Nicolau

As Férias do Pequeno Nicolau

Quando se tem a sequência de um filme com elenco mirim e alguns anos se passaram entre as produções, é necessário trocar os atores. É exatamente isso que ocorre com “As Férias do Pequeno Nicolau”, lançado cinco anos após o filme original, “O Pequeno Nicolau” (2010). Nesse sentido, a decisão de afastar a locação é muito acertada. Dessa forma, poucos personagens se repetem e as mudanças são minimizadas.

Na nova aventura, Nicolau (Mathéo Boisselier) e sua família vão à praia, onde o garoto faz novos amigos – eis os personagens diferentes. O pai dele (Kad Merad, de “Aconteceu em Saint-Tropez”) reencontra-se com um colega de infância (Bouli Lanners, de “A Grande Volta”) e sua família. Na ocasião, os dois homens jocosamente combinam o casamento de Nicolau com Isabelle (Erja Malatier), mas o garoto toma a brincadeira a sério e começa a armar planos para sabotar o fictício matrimônio.

Clique para ler mais

sinfonia

Sinfonia da Necrópole

Quando soube que o primeiro longa solo de Juliana Rojas seria um musical que se passa dentro de um cemitério, imaginei que ela continuaria o flerte com o cinema de horror vistos em “Trabalhar Cansa” (2011) e “O Duplo” (2012). Com certeza há elementos do gênero em “Sinfonia da Necrópole”, mas o filme surpreende com uma pegada cômica irresistível.

O protagonista é Deodato (Eduardo Gomes, de “Quando Eu Era Vivo”), aprendiz de coveiro incumbido de ajudar uma nova funcionária (Luciana Paes, de “Crô: O Filme”) a recadastrar os túmulos. A convivência faz Deodato ter sentimentos por Jaqueline, mas há outras preocupações na mente do herói: ele considera que mexer nos pertences dos mortos pode ter consequências sinistras.

Clique para ler mais

amazonia

Amazônia

A noite de 26 de setembro de 2013 ficará marcada na história do Cine Odeon. Desde sua fundação em 1926, quando o cinema ainda era mudo, foi nessa data em que se deu sua primeira projeção em 3D. O filme responsável por tal honraria foi “Amazônia”, que abriu o Festival do Rio 2013.

O protagonista do longa é um macaquinho que precisa se adaptar à vida em meio selvagem. Ele sempre conviveu com humanos, até que um acidente aéreo o colocou no coração da Floresta Amazônica. A partir de então, ele precisa lidar com um local totalmente novo para ele, com habitantes fascinantes e perigosos.

Clique para ler mais 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s