Pílulas de Gramado

Por Daniel Feix

Edison Vara/PressPhoto

Edison Vara/PressPhoto

42º Festival de Gramado teve bons filmes, melhorou em diversos aspectos a sua infraestrutura, mas teve, na cerimônia de entrega dos Kikitos, um desfecho um tanto estranho. O júri dos longas-metragens brasileiros fez uma grande confusão, garantindo que sete dos oito títulos em competição saíssem premiados do evento.

A Estrada 47, de Vicente Ferraz, foi eleito o melhor filme, e mais nada – ao menos nas principais categorias. Sobraram troféus para A Despedida, de Marcelo Galvão, e Infância, de Domingos Oliveira, alguns, inclusive, inusitados. Foi o caso de um segundo prêmio especial do júri para Fernanda Montenegro (por Infância), que enfraqueceu a escolha deJuliana Paes como melhor atriz (por A Despedida), e do Kikito de ator coadjuvante paraPaulo Betti, que tem o principal papel masculino em Infância, mas que não tinha como competir com Nelson Xavier, eleito o melhor ator por A Despedida.

Esse jeitinho de contemplar a todos é simpático para com os artistas, mas dificulta que se estabeleçam juízos de valor, o que vai na contramão das propostas dos principais festivais do mundo. Para reflexão: os 39 prêmios de Gramado superam o dobro do que é concedido em Cannes, Berlim e Veneza.

Unificar as competições de longas brasileiros e latinos, além de tudo, valorizaria os títulos estrangeiros, que demonstraram sensível melhora na comparação com os anos anteriores – mas que têm seu interesse diluído em meio à disputa nacional. É necessário dizer que Gramado 2014 terminou sem apresentar filmes arrebatadores, ou mesmo que tenham sido unanimidade entre público e críticos presentes. Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas, eA Luneta do Tempo, de Alceu Valença, foram os mais inventivos títulos em competição, mas venceram apenas, respectivamente, o prêmio da crítica e os troféus de trilha musical e direção de arte.

No ano em que o Rio Grande do Sul voltou a ganhar a competição de curtas (com o surpreendente Se Essa Lua Fosse Minha, produzido por alunos da Unisinos com a direção de Larissa Lewandowski), Gramado fez algumas lições de casa dignas de nota. Uma delas foi incorporar legendas em espanhol aos filmes brasileiros, o que permitiu que os convidados dos países vizinhos (não são poucos) pudessem fruí-los. Também houve mais gente dentro do Palácio dos Festivais, o que tem muito a ver com a diminuição do preço dos ingressos.

Um júri mais decidido e uma curadoria um pouco menos política (não foi a melhor seleção já feita, ao contrário do que disse Rubens Ewald Filho ao site de ZH na tarde anterior à cerimônia de entrega dos Kikitos) tornariam o festival ainda melhor.

 

Cena do filme Infância, de Domingos Oliveira

Cena do filme Infância, de Domingos Oliveira

Pílulas de Gramado 2014

> Os filmes que ficam

A grande atuação de Fernanda Montenegro e a mão afinada do diretor Domingos Oliveira devem garantir uma distribuição digna a Infância, longa inspirado nas memórias de criança do cineasta que é, de longe, seu filme com produção mais caprichada (custou R$ 2 milhões, 20 vezes mais do que Juventude). A Luneta do Tempo e Sinfonia da Necrópole têm mais a dizer, mas seu hermetismo e sua irregularidade devem dificultar suas carreiras no circuito comercial. Os cinco concorrentes latinos sofrem de um mal parecido: têm pouco apelo e não são exatamente arrebatadores, o que quer dizer que não vai ser fácil você ter a chance de ver algum deles nos cinemas.

> Justa exaltação do passado
Gramado demonstrou sabedoria ao olhar para o futuro recordando quem fez a sua história. A sentença vale tanto para debates como o que reuniu decanos da crítica gaúcha (Hiron Goidanich, o Goida, Enéas de Souza e Hélio Nascimento) quanto para as escolhas dos homenageados, o fotógrafo Walter Carvalho (Troféu Eduardo Abelin) e os atores Flávio Migliaccio (Troféu Oscarito) e Jean Pierre Noher (que, ao receber o Kikito de Cristal, lembrou de sua consagração com Um Amor de Borges, no festival de 2001).

> Festival de bons atores
Único premiado aplaudido de pé, Nelson Xavier foi a grande atuação de Gramado 2014. O festival teve várias interpretações marcantes, das chilenas Paulina García e Valentina Muhr (Las Analfabetas), do uruguaio Felipe Dieste (El Lugar del Hijo), dos paulistas Luciana Paes e Eduardo Gomes (Sinfonia da Necrópole). Consagrar Juliana Paes, como a amante do velhinho vivido por Nelson Xavier em A Despedida, foi uma decisão arriscada e  louvável do júri, ainda que enfraquecida pelo prêmio especial para Fernanda Montenegro.

> As figuras mais marcantes
Alceu Valença foi o cara em Gramado 2014. Cantou, contou histórias e até imitou animais – houve quem classificasse o debate de seu filme A Luneta do Tempo como coletiva-show. Mas quem realmente “causou” foi o animador paulista Caio Ryuichi Yossimi. No Palácio dos Festivais, ele fez lembrar Lady Gaga (para alguns, Ru Paul) com seu figurino extravagante que emulava o visual do protagonista de seu curta de tema gay O Coração do Príncipe.

> Por mais e melhores espaços
Com ingressos a R$ 20 (já custaram R$ 100, alguns anos atrás), o público no Palácio dos Festivais cresceu. Mas é preciso mais. Gramado tem muitos convidados com lugar reservado no cinema, e vários deles não vão ver os filmes, o que deixa a sala longe de estar cheia. A falta de wi-fi nos espaços do evento e de restaurantes abertos ao fim das sessões, após a meia-noite, são outros aspectos que também precisam melhorar.

> O discurso contundente
O cinema brasileiro não vai tão bem para que um festival inteiro do porte de Gramado se realize sem maiores discussões sobre estética e mercado. O único discurso com alguma carga política de todo o evento foi enviado por Domingos Oliveira, para ser lido no Palácio dos Festivais. O diretor de Infância propôs o uso da expressão “filme útil” em lugar de “filme de arte”. Foi um jeito sutil de exaltar o cinema com conteúdo em detrimento das bobajadas que invadem as salas. Sutil mesmo. Ainda assim, foi o mais contundente discurso do 42º Festival de Gramado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s