Dossiê Festival de Gramado (I)

sinfonia da necrópole

Por Robledo Milani (RS)

Sinfonia da Necrópole

Um musical no cemitério. Assim tem se apresentado Sinfonia da Necrópole, primeiro longa-metragem dirigido por Juliana Rojas, que até então havia apenas assinado a codireção do premiado Trabalhar Cansa (2011), além vários e badalados curtas. Exibido pela primeira vez no 6th Paulínia Film Festival, foi selecionado também para o 42° Festival de Cinema de Gramado, o que já significa muito sobre o perfil da obra: é um trabalho voltado a um público preparado, em busca de material inovador e alternativo, exatamente como se costuma encontrar nas plateias dos principais eventos cinematográficos pelo país. O espectador médio, aquele em busca mais de entretenimento do que cultura, certamente irá estranhar a ousada proposta da realizadora.

Clique aqui para ler mais

 

Infância

infanciaApós ter ficado quase vinte anos sem filmar – entre Teu Tua (1979) e Amores (1998) –Domingos Oliveira vem mantendo um ritmo intenso de produção desde a sua ‘retomada’ pessoal. Foram quase dez filmes em pouco mais de uma década, e em comum todos possuem o fato de serem muito típicos entre si, como se bastasse a presença do cineasta atrás – ou em frente – das câmeras para se ter um gênero por si só. Domingos é uma assinatura, e poucos realizadores nacionais conseguiram tal estatura. Seu mais recente trabalho, no entanto, é um dos mais íntimos, porém carece de algo a mais que o torne também atraente e, principalmente, interessante. Em Infância, o diretor revisita sua própria história, e a sensação que temos ao vê-la agora é exatamente a mesma proporcionada quando revemos algo que ficou marcado no nosso passado: sem graça e desestimulante.

Clique para ler mais

 

a estrada

Por William Silveira

A Estrada 47

O Brasil se esquece de si com facilidade. Essa é a impressão que A Estrada 47, coprodução com Portugal e Itália, nos deixa ao tocar em um episódio importante e quase silencioso da história do país. Escrito e dirigido por Vicente Ferraz (Soy Cuba: O mamute siberiano, 2005), o longa conta o drama de um grupo de engenheiros enviados pela Força Expedicionária Brasileira (FEB) para auxiliar os Aliados durante a Segunda Guerra, na Itália.

Clique para ler mais

 

A Despedida

a despedidaA questão não é suprir o que nos falta, mas lidar com aquilo que, uma vez dado, nos é tirado. É durante este crucial – para não dizer cruel – processo que somos apresentados ao novo filme de Marcelo Galvão. O diretor que trouxe ao Festival de Gramado o amável e muito bom Colegas, dois anos atrás, retorna com um drama inegavelmente pesado e tocante.
Inspirada no avô de Galvão, a história traz Almirante, um senhor de 90 ou mais anos, que ao sentir-se consumido pela velhice, decide focar o tempo e a força restantes em momentos especiais. Se a cena inicial, em que acompanhamos o despertar do protagonista, nos permite sentir a batalha entre a vontade de viver e a debilidade física, o pedido de perdão feito a um amigo há muito distante transparece a noção que o personagem tem frente à presença da morte.

Clique para ler mais

 

baloes lembrancas

Por Marcelo Müller

Balões, lembranças e pedaços de nossa vida

A narração em off associada às imagens das festas de aniversário do cineasta Frederico Pinto quando criança, entre outras gravações de momentos familiares, deflagra, num primeiro instante, a pessoalidade de Balões, Lembranças e Pedaços de Nossas Vidas. Mas mesmo quando o filme salta a outros relatos, ou seja, a histórias alheias, há traços de intimidade, como se o criador se apropriasse da memória de outrem para construir um painel sobre suas próprias lembranças. O tom confessional, e até certo ponto cômico, dos comentários que ilustram o material familiar, logo dá lugar a outras vozes e imagens.

Clique para ler mais

Janeiro 27
janeiro27Reconstituir uma tragédia, ficcional ou documentalmente, é revivê-la. No dia 27 de janeiro de 2013, a cidade de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul, teve um de seus episódios mais devastadores, com a morte de 242 pessoas no incêndio que consumiu a boate Kiss. O mundo voltou seus olhos para o acontecido, em lamentos que foram desde a mais pura solidariedade até a indignação com a falta de segurança que propiciou o incidente. Parte da comunidade local, ainda em meio à dor que parece não cessar, começou diversos movimentos que visam preservar a memória dos mortos, além de providenciar para que tal episódio não se repita. Janeiro 27, dirigido a quatro mãos por Luiz Alberto Cassol e Paulo Nascimento, artistas com ligações estreitas com a cidade, procura entender um pouco as circunstâncias, tomando depoimentos, sobretudo de familiares dos mortos.

Clique para ler mais

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s