A Rua muda, de Eduardo Colgan

Pedro Plaza Pinto*

Vencedor do prêmio Mirada Paranaense do 6° Olhar de Cinema, Festival Internacional de Curitiba

A Rua Muda (Hush Street) - still 1 - Mirada Paranaense 2017

“– Que tempos!”, desabafa delicadamente o fotógrafo, um dos personagens de A Rua muda (Eduardo Colgan, 2017). A cena precede o final do curta e o comentário é sucedido de nova saída do grupo de amigos que, com uma última cerveja, invadem novamente a rua noturna para mais um momento de celebração da amizade, sobretudo insistência em estar na rua ainda que sob ameaça de violência policial. É o final do filme e o grupo foi perscrutado afetuosamente pela câmera quase sempre muito próxima, em busca dos belos e marcantes rostos. A proximidade acentuou as reações quando os protagonistas se lembraram do instante quando, em uma rotineira balada, um tiro foi disparado.

O que aconteceu? Por que a polícia disparou um tiro contra aquele rapaz? Nada disso entra no exame pois o interesse da narração é orbitar as reações deslocadas de cada um e cada uma entre os quatro amigos. A perplexidade e a falta de sentido jogam com as fisionomias.

Este estudo meticuloso se inicia com a câmera lenta que deflagra o acontecimento gerador para o grupo, quando o fotógrafo também consegue um registro antes da corrida de evasão com o tiro na noite. Em outra cena adiante, percebemos a reação de todos ao verem a foto do acontecimento. As transformações das faces dá a dimensão de sentimentos contrários: os quatro compartiam outras fotos geradoras de leves reações afetuosas e testemunhas da duradoura amizade do grupo, mas, entre elas, emerge “a foto”. Contracampo: o filme não nos mostra a foto, está interessado nos semblantes do grupo.

A Rua muda destila, portanto, uma reflexão sobre o mundo de hoje, sobre o Brasil de agora. O flagrante da operação policial feito por outra máquina celular-câmera traz posteriormente a cena que o dispositivo pode capturar de repente. Desta vez nós compartimos o exame da tela do computador que mostra o vídeo. Trata-se de uma cena que hoje nos parece comum e já marcada por alguns códigos: cidadãos revoltados com a truculência policial, ameaça de prisão dos jovens que reclamam de abuso de autoridade, ameaça ao cinegrafista que registra a cena.

O papel da difusão de sons e imagens em teia dá a base material para o pensamento sobre posar e flagrar, postar e publicar, ver e rever, examinar e reexaminar o prolongamento e repercussão dos instantes em momentos dispersos. A conexão entre a violência policial e o golpe legislativo de 2016  dá origem o atual estado de coisas, como explicita ao final a instigante produção de sentidos da música Hashtag.

A potência estética e política de A Rua muda reside justamente no estudo das cenas e dos rostos – curiosamente, expressando o atual hiato de entendimento entre gerações, a personagem da mãe não é vista no mesmo registro e a sua presença ganha mais espaço fora-de-campo.

De início, o filme produz o encantamento de olhar o movimento lento do grupo na rua, segundos antes do evento traumático. Há a curiosidade do olhar e pelo olhar, e os espectadores têm a liberdade de ver quem quer ver, de prescrutar os corpos na tela, seus rostos, seus lentos movimentos. Mas algo está para acontecer e prestes a tomar a cena. Uma moça passa em fuga. Ação e reações: o ruído do tiro é obliterado pela música que cria a suspensão e dá um tom grave ao momento.

Quem entre nós pode dizer que esteve desincumbido de lidar com o trauma de um projétil deflagrado, do ruído, do fogo seco, do estampido que dilacera a calma sob pedestal típica do silêncio relativo no ruído branco da cidade? A cena primal é feita, portanto, de co-presença e de co-pertencimento no encontro lúdico e celebrativo, presença à imagem no segundo da imagem, ou seja, da impressão antes da reação ao tiro, mas também da reação diluída ao longo do tempo do filme.

Todavia, depois e antes do impulso à corrida, a teia afetiva que anima o grupo é a da convivência e da amizade, afinal, aí sim, o tema do filme. Trata-se, então, da amizade que sustenta a difícil lida com um evento traumático que marca e atravessa o cotidiano destas moças e destes rapazes. Atravessamento movido pela potência difusora das redes e das imagens e sons diferenciais, quais sejam, das imagens e sons formados num repertório que aponta para um jardim possível e experienciável dos acoplamentos com dispositivos sonoros e brilhantes.

A rua segue reivindicada por esta geração, ainda que diante da incompreensão dos mais velhos, diante da violência da polícia, diante do golpe de estado. Permanece a tentativa de diálogo no espaço íntimo e sincero entre amigos, mesmo em contexto assombroso. Logo, é possível enunciar uma síntese discreta do filme: diante do espanto ou da perplexidade, a aposta na sociabilidade de afetos trocados das mais variadas maneiras, em momentos dispersos mas reunidos pelas experiências comuns. Contra o espanto sem expressão, vale a celebração da amizade e da desalienação no mundo de hoje. #ForaTemer #aBundatreme #Vemprarua #Prepara #Tomaarua #Mostraacara

* Pedro Plaza Pinto é pesquisador de cinema brasileiro e professor na Universidade Federal do Paraná. Foi membro do júri Abraccine no 6º Olhar de Cinema.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s