9º Olhar de Cinema: Mostra Competitiva

Los Lobos

Boa parte da narrativa retrata o confinamento e a solidão dos meninos, brincando um com o outro e espiando a vida lá fora. Neste jogo interior/exterior, o filme equilibra uma notável tensão dramática, criando expectativas sobre a incursão deste mundo externo na vida dos meninos, este território por ora proibido e que encerra perigos reais e imaginários.
Por Neusa Barbosa

Kishi não está interessado em explicar o que aconteceu com o pai dos garotos ou porque aquela mulher fugiu de onde morava. O foco é o estranhamento, o isolamento e o processo de reconstrução.
Por Chico Fireman

Luz Nos Trópicos

O filme se lança num emaranhado labiríntico e rigoroso de encenação austera, escondido talvez por trás de uma aparente liberdade de trânsito e movimento na relação da câmera com os atores e suas interações em cena.
Por Rafael Carvalho

O tempo do plano, que acompanha mansamente a feitura de um beiju pela indígena do Xingu, também pode nos dar uma rasteira e, por meio de um corte seco, nos levar diretamente para a neve urbana. Como um mergulho súbito em água gelada, já não sabemos bem onde estamos. Será que algum dia soubemos?
Por Juliana Costa

Na Cabine de Exibição

Ao buscar o olhar da garota e tentar a todo custo que ela veja o seu ponto de vista, Ra’anan Alexandrowicz também está ressignificando aquilo tudo, porque, com sua interpretação, ele vai nos expondo uma visão de que aquela garota está errada em não perceber o erro de sua crença.
Por Amanda Aouad

Nasir

O trabalho de captura, apesar do que poderia se supor, na verdade não prescinde de sofisticação na criação de planos. Embora o filme não abra mão dessa aproximação com o registro documental na escolha de foco, no caráter observacional da forma com que aborda seus personagens, o fluxo de imagens não é carente de cuidado e delicadeza.
Por Francisco Carbone

Noite Perpétua

Do que não se vê pela ausência de luz ou pela opção de não mostrar àquilo que é explícito em gestos ou palavras, do tenebrismo pictórico à influência deste no palcos, não há nada em tela que extrapole ou não faça sentido.
Por Cecilia Barroso

Panteras

Se não chega a explorar suficientemente as questões que afligem as personagens ou todo o potencial delas, o curta se mostra mais eficiente na abordagem geral sobre os padrões de beleza femininos, especialmente com a cena de abertura do vestiário, na naturalidade de corpos com estrias, celulites, gorduras a mais, cicatrizes ou menstruando, e a escolha pelo aspect ratio 4:3 induzindo essa pressão midiática e social quanto a isso através do formato de tela.
Por Nayara Reynaud

Um filme dramático

Se no início do filme, o que temos são imagens fora de foco e trêmulas em grande volume, ao final, quatro anos mais tarde, já percebemos uma intencionalidade nas imagens que objetiva registrar o que pode haver de poético, por exemplo, em pombo pousados na estrutura de uma ponte sobre o Sena.
Por Luiz Joaquim

Victoria

Victoria é uma obra digna de reflexão e que conversa muito com o atual momento no mundo. As instituições falham com as pessoas e, ainda assim, permanecem agindo como se elas tivessem qualquer tipo de apoio ou que nada de errado estivesse acontecendo — por mais que isto aconteça tão abertamente, em plena luz do dia.
Por Barbara Demerov

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s