Do indivíduo para o coletivo – 10º Olhar de Cinema

Yasmine Evaristo*

A pandemia do novo Coronavírus afetou a tudo e a todos, logo, a arte não passaria ilesa. Embora seja perceptível que a curadoria da 10ª edição do Olhar de Cinema não tenha se debruçado apenas em filmes que dialogam com o contexto pandêmico, trazendo em si a questão da saúde ou do isolamento, algumas estradas parecem ter guiado suas escolhas em uma rede confluente para as relações humanas. 

Em abordagens ficcionais ou documentais, sobre fatos contemporâneos, distópicos ou ainda passados, as relações firmadas em grupos estavam presentes. Como resultado, o que pudemos ver entre curtas e longas metragens foram inúmeras experiências em que as pessoas se deslocaram de sua singularidade para encontrar forças em outros indivíduos de seu entorno. 

Família, amizade, redes de sororidade e dororidade foram maneiras constantes de acolhimento, reconhecimento e resiliência. Ademais, se deslocar em direção ao outro permite também o deslocamento em direção à memória. Precisamos lembrar, precisamos conhecer, conhecimento é poder. Ouvimos em diversas vozes e idiomas e vimos em diversas imagens o tempo deslocado de sua concepção linear. Como resultado, entendemos que todas ações geram influências imediatas ou não. Olhar para trás, com afeto e maturidade é a solução para caminhadas frutíferas em direção ao futuro. 

Na materialidade, misancene, existiu inventividade e tradição na hora de contar as histórias. Reforço que os olhos para o passado possibilitaram uma visão de futuros possíveis, dentro e fora da tela. Os selecionados nos alertam sobre a necessidade de romper com círculos viciosos, acendendo luzes, como faróis, dizendo ‘cuidado, 

mudem o rumo’. Vimos as vidas das pessoas sendo mudadas pela política, economia, meio ambiente, epidemias biológicas e morais. Fatos da história oficial e não oficial. Ainda assim o que nos fica é a esperança de dias melhores. 

Os diálogos e olhares presentes nessa edição do Olhar de Cinema foram assertivos ao caracterizar um festival que ao longo de sua primeira década caminhou e caminha proporcionando o incentivo ao audiovisual e ao pensamento crítico.

*Yasmine Evaristo fez parte do Júri da Abraccine

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s