Mostra 2014: Considerações do júri (I)

casa grande

 

Casa Grande, ou a sociedade de classes à brasileira

Por Luiz Zanin (SP)

 

O título já diz muito. Casa Grande (foto acima), claro, pode indicar um diálogo com o clássico pernambucano de Gilberto Freyre. Casa Grande & Senzala, um dos grandes títulos da “interpretação” do Brasil, dos anos 1930 (tendo como “colegas” Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, e Formação Econômica do Brasil, de Caio Prado Jr.) faz um agudo diagnóstico do relacionamento de classes sociais numa sociedade de origem escravocrata, como a nossa. Permeada por relações de “cordialidade” (aqui para usar o termo buarquiano) e afeto, os conflitos de classe não parecem tão claros no Brasil como em países de formação diferente. Nem por isso são menos agudos. Nem menos cruéis. Para ler mais, clique aqui.

 

O cinema infanto-juvenil na Mostra

Por Roberto Cunha (RJ)

o segredo dos diamantes cartaz grandeO cinema infanto-juvenil, de uns tempos para cá, foi invadido por superproduções, a maioria delas de Hollywood, que reencontrou na garotada potencial de faturamento. Embora alguns leitores possam discordar desse “abandono” do gênero, o fato é que as animações, cada vez mais focadas na família, meio que tomaram esse espaço. A verdade, porém, é que são produtos diferentes e o mercado já percebeu isso. Encarado como um negócio da China, o número de lançamentos cresceu consideravelmente e o Brasil, parece, começou a botar as manguinhas de fora, mesmo que enfrentando uma batalha desigual contra os gigantes internacionais.

Exemplos de fora não faltam, como o feiticeiro Harry Potter (2001-2011), a saga Crepúsculo (2008-2012) e Jogos Vorazes (2012), que estreia novo título agora, em novembro, e fecha em 2015, com Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 2. As três franquias encheram os cofres dos estúdios e, goste ou não da saga vampírica ou dos bruxinhos de Hogwarts, eles atraíram um novo público e resgataram essa coisa da aventura juvenil. E se a qualidade do conteúdo pode ser duvidosa para uns, o que preocupa de verdade é essa espécie de “padronização”, buscando transformar o “papel” que vem das livrarias em “bilhetes”. Afinal, ao adaptar livros (quadrinhos e jogos também se tornaram foco das atenções), o texto original perde espaço e o espectador fica refém de um estilo, formato etc. Como essa “morte” ainda não aconteceu, quando aparece algum guerreiro solitário focado nessa galerinha, vale festejar.

Para ler mais, clique aqui.

 

A ambiguidade de Castanha e Ausência

Por Sérgio Rizzo (SP)

castanhoO hibridismo entre ficção e documentário na produção brasileira contemporânea encontrou ao menos dois ótimos exemplos na programação da 38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo: Castanha (imagem ao lado), o primeiro longa-metragem do gaúcho Davi Pretto, e Ausência, o segundo longa de ficção do carioca (radicado em São Paulo) Chico Teixeira. Para ler mais, clique aqui

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s