Dossiê Cine Pe: A Pedra

pedra

Robledo Milani*

Iuli Gerbase não é nenhuma novata. Filha do cineasta Carlos Gerbase, desde pequena se viu nos sets de filmagens. Com experiência no cinema e na televisão, enquanto preparava seu primeiro longa-metragem (A Nuvem Rosa, previsto para 2020), ela ainda encontrou tempo para dirigir um novo curta-metragem, A Pedra, que foi selecionado para as mostras competitivas nacionais dos festivais Cine PE, em Pernambuco, e de Gramado, no Rio Grande do Sul. Em cena, ela parte de um núcleo familiar para discutir questões urgentes do cotidiano, como relacionamento entre pais e filhos, traição marital, as novas tecnologias e, acima de tudo, confiança. Tudo isso envolto por uma ambientação de extrema simplicidade – e, justamente por isso, revelando uma absoluta eficiência, mesmo nos mais discretos detalhes.

No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho, diz Carlos Drummond de Andrade. Pois essa pedra surge durante um passeio de rafting. A mãe está insegura se a ideia era uma boa. O pai está mais tranquilo. O filho quer apenas se divertir. A filha está insegura. Alguma coisa houve. Ela não está disposta a conversar – criança, ainda, é dona de reações mais instintivas do que racionais. Ela sabe que há algo errado. Mas não tem certeza. O fato dos pais conversarem em inglês na frente dos pequenos, com a intenção de que não entendam o que estão dizendo entre eles, apenas aumenta a suspeita. É óbvio que estão escondendo alguma coisa. Mas seria um segredo de um, ou dos dois?

A menina tem opiniões fortes. E Gerbase mostra uma bem-vinda segurança na condução dos seus jovens atores. A criança assume com tranquilidade o protagonismo da trama. Quando a pedra se impõe, o sinal de alerta lhe soa mais alto do que qualquer outra coisa. É chegado o momento de por um basta naquilo tudo. “Por que vocês querem nos matar?”, sussurra no ouvido da mãe, entre o lamento e a indignação. Para a mulher, também é o seu limite. Ela e o filho seguirão rio abaixo com o instrutor. O pai que vá a pé, e pelo caminho descubra como acalmar a pequena. Mas o embate é justamente entre os dois. Homem e criança. Pai e filha. Uma mentira que não se sustenta, e que encontrará o seu meio de se manifestar, revelando tanto o turbilhão que se passa nela como o peso que ele terá que carregar pelo resto desta jornada.

Objetiva em suas intenções e absolutamente no controle de sua história, a cineasta aproveita esse microcosmo familiar desenhado para refletir um mundo que parece estar sempre prestes a ruir, segurando-se a qualquer porto mais estável pelos pontos de apoio mais frágeis que lhes são oferecidos. Ainda assim, está lá, em pé, à espera de uma reviravolta, de uma luz que ofereça novos significados a conceitos um tanto envelhecidos. Felipe Kannenberg e Morgana Kretzmann desempenham suas funções com tranquilidade e competência. Mas o show, aqui, é mesmo da jovem Ester Amanda Schafer, que transita entre a birra e a determinação, sem nunca afastar o olhar do espectador. Muito disso, é claro, graças à condução de Iuli Gerbase, que com muito pouco, oferece um belo filme, pronto a ser descoberto.

*Robledo Milani foi júri Abraccine no 23º Cine Pe – Festival de Audiovisual

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s