Dossiê Prêmio Abraccine 2020: Top 10

LONGA-METRAGEM BRASILEIRO

Sertânia, Geraldo Sarno

Completam o Top 10 em ordem alfabética

Aos Olhos de Ernesto, Ana Luísa Azevedo

“Aborda o envelhecimento usando da delicadeza e do humor”
Nayara Reynaud

“Olhar curioso e terno, que acompanha seus personagens a uma distância segura”
Alysson Oliveira

“Jorge Bolani, empunhando a bandeira do protagonista, constrói momentos de puro carisma e talento”
Francisco Carbone

Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, Bárbara Paz

“Retorno simbólico a caminhos já trilhados”
Neusa Barbosa

“Babenco é um longo e afetuoso adeus, filtrado pelo amor de sua autora pelo seu retratado”
Isabel Wittmann

Emicida: AmarElo – É Tudo Pra Ontem, Fred Ouro Preto

“Há espaço para todos e todas aqui”
Alysson Oliveira

“O registro fílmico habita um espaço amoroso, indefinido no tempo e à deriva na memória”
Lorenna Montenegro

A Febre, Maya Da-Rin

“O espaço e o tempo da narrativa são marcados com perfeição”
Neusa Barbosa

“Maya Da-Rin não tem pressa diante da história que se propôs a contar, até porque está mais interessada nos reflexos e sentimentos que conseguir emular em sua audiência”
Robledo Milani

Fim de Festa, Hilton Lacerda

“O que há de mais instigante em Fim de Festa é justamente este seu caráter de caleidoscópio, de filme que é ‘sobre tudo’”
Neusa Barbosa

“Hilton Lacerda oferece um contraponto um tanto agridoce como resposta à esfuziante energia verificada em Tatuagem.”
Robledo Milani

Pacarrete, Allan Deberton

“Pacarrete é uma dessas personagens cuja complexidade ganha corpo ao longo da história”
Neusa Barbosa

“O desajuste de Pacarrete com o meio em que vive é o ponto mais nevrálgico da trama”
Adriana Adrovandi

“Pacarrete brilha mesmo quando holofote algum lhe procura”
Robledo Milani

“Com o passar da projeção, Marcélia mostra seu repertório como a grande atriz que é e dosa no tom acalorado”
Lorenna Montenegro

Sol Alegria, Tavinho Teixeira

Sol Alegria é poder, mas também desprezo.”
Robledo Milani

Todos os Mortos, Marco Dutra e Caetano Gotardo

“Mergulhar nesse mundo é visitar as origens dos problemas intensos que vivemos hoje.”
Antonio Carlos Egypto

“O panorama de uma sociedade republicana em formação, cujas estruturas sociais, desiguais e racistas, se mantêm, de várias formas, até hoje”
Neusa Barbosa

“Caetano e Marco repovoam seu cinema de sensibilidade gestual a um movimento ancestral de reprodução de vozes do horror”
Francisco Carbone

Vermelha, Getúlio Ribeiro

“E ao almejar o mínimo, vai além e faz o que todo cinema deveria ter como primazia: comunicar-se”
Robledo Milani

Vermelha expõe essas pérolas de absurdo no banal, de extraordinário no trivial, algo que passa muito tempo ali, mas ninguém tem tempo de parar para olhar”
Cecilia Barroso

LONGA-METRAGEM ESTRANGEIRO ESTRANGEIRO

Retrato de uma Jovem em Chamas, Céline Sciamma

Completam o Top 10 em ordem alfabética

Adoráveis Mulheres, Greta Gerwig

“[Greta Gerwig] deixa clara a sua visão artística e instiga as plateias do século XXI nas entrelinhas”
Nayara Reynaud

“O filme dá conta de uma formidável gama de assuntos, como questões de família, gênero, classe, conservadorismo e progressismo”
Neusa Barbosa

Adoráveis Mulheres de Greta Gerwig é encantador na forma como dispõe de suas protagonistas e nos permite imergir nas suas vidas e nas suas alegrias domésticas”
Isabel Wittmann

“Passado e presente se alternam nesse novo Adoráveis Mulheres, conforme Jo perde e depois reencontra sua paixão pela escrita literária”
Wallace Andrioli

Podcast com Isabel Wittmann, Stephania Amaral e Camila Vieira: Feito por Elas

O Caso Richard Jewell, Clint Eastwood

“A prova de um cotidiano alterado à revelia”

Nayara Reynaud

“Falando na figura da jornalista, aliás, uma pessoa real – falecida em 2001 -, reside em sua caracterização a falha trágica de um filme com tantas outras qualidades”
Neusa Barbosa

“Clint Eastwood vem se firmando, na fase atual de sua carreira, como uma espécie de cronista dos valores de uma sociedade”
Wallace Andrioli

“Essa citada desconstrução emocional não é entregue de maneira óbvia ou manipuladora”
João Paulo Barreto

“O foco é no heroísmo individual do homem comum”
Daniel Medeiros

“Mais difícil de relevar, porém, é a personagem Kathy Scruggs, vivido por Olivia Wild”
Cecilia Barroso

O Farol, Robert Eggers

“O mérito de O Farol, no entanto, não está na sua história, mas na sua concepção”
Antonio Carlos Egypto

“Cabem múltiplas interpretações sobre as interações cambiantes entre estes dois homens”
Neusa Barbosa

“Isolados nesse local, os protagonistas se vêm em uma rotina claustrofóbica, que se traduz ao público como uma narrativa dramática e imersiva”
Isabel Wittmann

“O fundo do mar mostra sua cara menos amigável e o longa tem seu momento de slasher elegante”
Bianca Zasso

“O medo, como se vê, é tão real quanto sonhado”
Robledo Milani

“Uma obra que se utiliza de monstros e metáforas para estudar a natureza humana, o trauma, a solidão e a loucura”
Daniel Medeiros

“Uma experiência estética dantesca”

Lorenna Montenegro

Hotel às Margens do Rio, Hong Sang-soo

“Interessante discussão sobre mulheres e masculinidade”
Nayara Reynaud

“É uma dinâmica de aproximação e distanciamento que Hong, também autor do roteiro, estabelece para as suas personagens”
Alysson Oliveira

“Agrada o modo do diretor trabalhar com a percepção externa da capacidade de comunicação”
Cecilia Barroso

Joias Brutas, Josh e Benny Safdie

Joias Brutas é um filme demarcado pela inquietude, fruto da forma como a montagem cria um ritmo febril”
Marcelo Müller

“Um cinema que captura e faz mergulhar num universo denso, sujo, cru”
Lorenna Montenegro

Martin Eden, Pietro Marcello

“Uma jornada parecida com a do próprio personagem, indo do encantamento à desilusão”
Nayara Reynaud

“A direção de Pietro Marcello imprime a Martin Eden uma dinâmica e uma força envolvidas por belas sequências”
Antonio Carlos Egypto

“Martin Eden fornece material para um denso estudo de personagem”
Neusa Barbosa

“E o olhar tão atento a essa deterioração do indivíduo, tão relevante quando se toma sua ideologia em consideração, aqui fica relegada a uma outra motivação”.
Cecilia Barroso

Os Miseráveis, Ladj Ly

“Traz tanto o realismo social do drama inerente quanto alimenta a adrenalina do thriller com sua câmera”
Nayara Reynaud

“Ly tem a autenticidade de uma voz que vem dessa periferia parisiense semi-abandonada”
Neusa Barbosa

“É um desafio não desprezível coadunar esse olhar crítico, direcionado a um contexto mais amplo e complexo”

Wallace Andrioli

“A combinação raiva, levante popular e repressão policial tem sua vertente francesa explorada com sagacidade”

Lorenna Montenegro

Nunca Raramente Às Vezes Sempre, Eliza Hittman

“É impressionante que Flanigan seja estreante em cinema, tamanho seu comando em cena, criando uma personagem complexa, repleta de camadas emocionais e verdade”
Alysson Oliveira

“Eliza Hittman, mesmo assumindo uma posição muito clara em favor ao direito ao aborto, em nenhum momento faz parecer que  é uma decisão fácil”
Ivonete Pinto

“Um dos méritos da roteirista e diretora Eliza Hittman é não transformar essa história numa via crucis sádica”
Wallace Andrioli

“O cinema de Hittman desenvolve questões sobre desejos, frustrações, descobertas e uma busca pelo íntimo dos seus personagens”
Renato Cabral

Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre é feito de desolação mesmo quando surge a solução”
Lorenna Montenegro

Você Não Estava Aqui, Ken Loach

“Para não perdermos a capacidade de nos indignar diante da desumanidade e da ganância do lucro”
Antonio Carlos Egypto

“São os escravos modernos e o filme, que não sinaliza soluções – como poderia? -, é o seu grito de socorro”
Neusa Barbosa

“O filme de Ken Loach, com seu poderoso e impressionante desfecho, nos dá muito a refletir”
João Paulo Barreto

“De maneira implicante e impertinente, Loach coloca um lampejo de solução ali, naquele mesmo ambiente”
Cecilia Barroso

MELHOR CURTA-METRAGEM BRASILEIRO

Inabitável (PE), Matheus Farias e Enock Carvalho

A Morte Branca do Feiticeiro Negro (SC), Rodrigo Ribeiro

República (RJ), Grace Passô

Completam o Top 10 em ordem alfabética

O Barco e o Rio (AM), Bernardo Ale Abinader

“As atrizes dão as nuances necessárias para preencher de vida esses arquétipos”
Nayara Reynaud

“São muitas coisas condensadas, em tempo e espaço, algo que reforça diferenças e amplia interpretações.”
Cecilia Barroso

Cinema Contemporâneo (PE), Felipe André Silva

Construção (RS), Leonardo da Rosa

“Poderia ser um longa-metragem. Acontece que ele é enxuto e está na capacidade de síntese o seu maior valor.”
Ivonete Pinto

Entre Nós e o Mundo (SP), Fabio Rodrigo

Extratos (SP), Sinai Sganzerla

“Uma mensagem esperançosa neste encontro de um oásis em meio ao caos de ontem e hoje”
Nayara Reynaud

“A reedição das imagens reflete a reedição de uma sombra que se instalou sobre o país por 21 anos”
Cecilia Barroso

O Que Há em Ti (SP), Carlos Adriano

Vaga Carne (RJ), Grace Passô e Ricardo Alves Jr.

“A questão central é a da identidade, e o corpo, ora vetor, ora metáfora, é o que materializa essa discussão”
Alysson Oliveira

“A carne que está vaga é a dela, mas pode ser a sua, assim como de qualquer outro”
Robledo Milani

“Esse transpor recorrente de barreiras e alcance, levando uma mesma ação em tantos níveis”
Cecilia Barroso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s