Em pesquisa inédita, associação de críticos elege os 100 melhores filmes do cinema fantástico brasileiro de todos os tempos

Protagonizado pelo icônico Zé do Caixão,“À Meia Noite Levarei sua Alma” encabeça a lista que servirá de base para o próximo livro da Abraccine

Produção que inaugurou o gênero de horror no Brasil e trouxe ao mundo o personagem Zé do Caixão, “À Meia Noite Levarei sua Alma” (1964) é o melhor filme do cinema fantástico brasileiro, de acordo com levantamento inédito feito pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

A pesquisa, realizada com especialistas e críticos de cinema, comprova a importância do cineasta e ator José Mojica Marins para a construção do cinema de gênero no país, rompendo diversas barreiras ao gestar um anti-herói 100% brasileiro e reverenciado mundo afora.

A filmografia de Marins, apesar das muitas dificuldades que o realizador enfrentou ao longo de mais de cinco décadas, especialmente em relação à censura e à falta de apoio governamental, está fortemente presente na lista de 100 melhores filmes do cinema fantástico.

“Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver” (1967) ocupa a segunda posição; “Ritual dos Sádicos” (1969), em décimo; “O Estranho Mundo de Zé do Caixão” (1968), em 11º; “Encarnação do Demônio” (2008), o último longa de Marins, em 17º; e “Exorcismo Negro” (1974), em 30º.

A lista também inclui episódios dirigidos por Marins em filmes coletivos, caso de “Trilogia do Terror” (1968), dividido com Luiz Sergio Person e Ozualdo Candeias, que ganhou a 25ª posição, e de “As Fábulas Negras” (2015), com Joel Caetano, Petter Baiestorf e Rodrigão Aragão, na 57ª.

LISTA – 389 produções de diversas épocas e metragens foram citadas na pesquisa da Abraccine, a primeira no Brasil a envolver o cinema fantástico, que abrange o tripé fantasia, ficção-científica e horror. O levantamento servirá de base para uma publicação com ensaios dedicados a cada um dos 100 melhores, além de artigos históricos.

A dupla Juliana Rojas e Marco Dutra, que, na última década, vem se especializando no horror ligado a tensões sociais, emplacou dois filmes no top cinco, com “As Boas Maneiras” (2017), na terceira colocação, e “Trabalhar Cansa” (2011), na quinta.

Em dupla ou individualmente, Rojas e Dutra tiveram outros longas e curtas na lista: “O Duplo” (2012), em 14º lugar; “Quando Eu Era Vivo” (2014), em 16º; “Sinfonia da Necrópole” (2014), em 50º; e “Um Ramo” (2007), em 69º.

Em quarto lugar aparece “As Filhas do Fogo” (1978), de Walter Hugo Khouri. O mestre paulista também teve um filme na oitava posição, com “O Anjo da Noite” (1974), na 34ª, com “Estranho Encontro” (1958) , e na 44ª, com “Amor Voraz” (1984).

Além destes, têm também presença expressiva na lista Rodrigo Aragão, com cinco filmes, Gabriela Amaral Almeida e Jean Garrett, com quatro cada.

A fantasia melhor colocada é “Filme Demência” (1986), de Carlos Reichenbach, em sexto. Já a ficção-científica mais votada é “Branco Sai, Preto Fica” (2014), de Adirley Queirós, em 19º.

LIVRO – Organizado por Gabriel Carneiro e Paulo Henrique Silva, o livro “Cinema Fantástico Brasileiro – 100 Filmes Essenciais” será publicado no final do ano, pela editora Letramento. A publicação foi antecedida por outras quatro obras de formato semelhante – “100 Melhores Filmes Brasileiros”, “Documentário Brasileiro – 100 Filmes Essenciais”, “Animação Brasileira – 100 Filmes Essenciais” e “Curta Brasileiro – 100 Filmes Essenciais”.

ABRACCINE – Criada em 2011 e filiada à Federação Internacional de Críticos de Cinema (Fipresci), a Associação Brasileira de Críticos de Cinema reúne 127 profissionais de 16 estados. Além da publicação de livros sobre o cinema nacional (num total de nove lançados desde 2016), a entidade realiza traduções de textos estrangeiros sobre cinema e cursos com concessão de bolsas para a diversidade e participa de júris de festivais de cinema no Brasil e no exterior.

100 MELHORES FILMES DO CINEMA FANTÁSTICO BRASILEIRO

1 – À meia noite levarei sua alma (1964), José Mojica Marins

2 – Esta noite encarnarei no teu cadáver (1967), José Mojica Marins

3 – As boas maneiras (2017), Juliana Rojas e Marco Dutra

4 – As filhas do fogo (1978), Walter Hugo Khouri

5 – Trabalhar cansa (2011), Juliana Rojas e Marco Dutra

6 – Filme demência (1986), Carlos Reichenbach

7 – Vinil verde (2004), Kleber Mendonça Filho 

8 – O anjo da noite (1974), Walter Hugo Khouri

9 – Macunaíma (1969), Joaquim Pedro de Andrade

10 – Ritual dos sádicos (1970), José Mojica Marins

11 – O estranho mundo de Zé do Caixão (1968), José Mojica Marins 

12 – Amor só de mãe (2003), Dennison Ramalho

13 – Dona Flor e seus dois maridos (1975), Bruno Barreto

14 – O duplo (2012), Juliana Rojas

15 – Mate-me por favor (2016), Anita Rocha da Silveira

16 – Quando eu era vivo (2014), Marco Dutra

17 – Encarnação do demônio (2008), José Mojica Marins

18 – O animal cordial (2017), Gabriela Amaral Almeida

19 – Branco sai, preto fica (2014), Adirley Queirós

20 – A marvada carne (1985), André Klotzel

21 – Enigma para demônios (1975), Carlos Hugo Christensen

22 – As sete vampiras (1986), Ivan Cardoso 

23 – O cemitério das almas perdidas (2020), Rodrigo Aragão

24 – O pasteleiro (1981), David Cardoso

25 – Trilogia do terror (1968), José Mojica Marins, Luiz Sergio Person e Ozualdo Candeias

26 – Morto não fala (2018), Dennison Ramalho

27 – A força dos sentidos (1979), Jean Garrett

28 – A mulher que inventou o amor (1979), Jean Garrett

29 – Barbosa (1988), Ana Luiza Azevedo e Jorge Furtado

30 – Exorcismo negro (1974), José Mojica Marins

31 – Mangue negro (2008), Rodrigo Aragão

32 – Excitação (1976), Jean Garrett

33 – O auto da compadecida (2001), Guel Arraes

34 – Estranho encontro (1958), Walter Hugo Khouri

35 – O menino e o vento (1967), Carlos Hugo Christensen

36 – O profeta da fome (1970), Maurice Capovilla

37 – Ninfas diabólicas (1978), John Doo

38 – Los silencios (2018), Beatriz Seigner

39 – Estátua! (2014), Gabriela Amaral Almeida

40 – O 5º poder (1962), Alberto Pieralise

41 – A ostra e o vento (1997), Walter Lima Jr.

42 – Reflexões de um liquidificador (2010), André Klotzel

43 – Ele, o boto (1987), Walter Lima Jr.

44 – Amor voraz (1984), Walter Hugo Khouri

45 – A mulher do desejo (Casa das sombras) (1977), Carlos Hugo Christensen

46 – Amadas e violentadas (1975), Jean Garrett

47 – Abrigo nuclear (1981), Roberto Pires

48 – O segredo da múmia (1982), Ivan Cardoso

49 – Estrela nua (1985), Ícaro Martins e José Antonio Garcia

50 – Sinfonia da necrópole (2014), Juliana Rojas

51 – Ninjas (2010), Dennison Ramalho

52 – Proezas do Satanás na Vila do Leva-e-Traz (1967), Paulo Gil Soares

53 – Inferninho (2018), Guto Parente e Pedro Diógenes

54 – O gafanhoto (1981), John Doo

55 – Mar negro (2013), Rodrigo Aragão

56 – A sombra do pai (2018), Gabriela Amaral Almeida

57 – As fábulas negras (2015), Joel Caetano, José Mojica Marins, Petter Baiestorf e Rodrigo Aragão

58 – Frankstein punk (1986), Cao Hamburger, Eliana Fonseca

59 – Nosferato no Brasil (1971), Ivan Cardoso

60 – A dança dos bonecos (1986), Helvécio Ratton

61 – Shock (1984), Jair Correia

62 – O saci (1953), Rodolfo Nanni

63 – Quem é beta? (1972), Nelson Pereira dos Santos

64 – Superoutro (1989), Edgard Navarro

65 – Vítimas do prazer: Snuff (1977), Cláudio Cunha

66 – Olhos de vampa (1996), Walter Rogério

67 – A misteriosa morte de Pérola (2014), Guto Parente e Ticiana Augusto Lima

68 – Kyrie ou o início do caos (1998), Debora Waldman

69 – Um ramo (2007), Juliana Rojas e Marco Dutra

70 – O Xangô de Baker Street (2001), Miguel Faria Jr.

71 – Mormaço (2018), Marina Meliande

72 – Castelo Rá-Tim-Bum: o filme (1999), Cao Hamburger

73 – A noite amarela (2019), Ramon Porto Mota

74 – Juvenília (1994), Paulo Sacramento

75 – Boi Aruá (1984), Chico Liberato

76 – Liliam, a suja (1981), Antonio Meliande

77 – A noite do chupacabras (2011), Rodrigo Aragão

78 – Ritual macabro (1990), Fauzi Mansur

79 – Trancado por dentro (1990), Arthur Fontes

80 – Brasil ano 2000 (1969), Walter Lima Jr.

81 – Mens sana in corpore sano (2011), Juliano Dornelles

82 – Uma história de amor e fúria (2013), Luiz Bolognesi

83 – O clube dos canibais (2018), Guto Parente

84 – Quem tem medo de lobisomem? (1975), Reginaldo Faria

85 – Noite final menos cinco minutos (1994), Debora Waldman

86 – A princesa e o robô (1984), Mauricio de Sousa

87 – A reencarnação do sexo (1982), Luiz Castellini

88 – O trapalhão nas minas do Rei Salomão (1977), J. B. Tanko

89 – Adeus (1988), Céu D’Ellia

90 – O barco (2018), Petrus Cariry

91 – Solo de violino (1981), Ody Fraga

92 – Náufragos (2010), Gabriela Amaral Almeida e Matheus Rocha

93 – O jovem tataravô (1936), Luiz de Barros

94 – Prata Palomares (1971), André Faria Jr.

95 – O nó do diabo (2017), Gabriel Martins, Ian Abé, Jhesus Tribuzi e Ramon Porto Mota

96 – Veneno (1952), Gianni Pons

97 – Zezero (1974), Ozualdo Candeias

98 – Nervo craniano zero (2012), Paulo Biscaia Filho

99 – As quatro chaves mágicas (1971), Alberto Salvá

99 – Zombio 2: Chimarrão zombies (2013), Petter Baiestorf

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s