Abraccine organiza ranking dos 100 melhores filmes brasileiros

“Limite” (1931), de Mário Peixoto, é o melhor filme brasileiro de todos os tempos de acordo com o recém-divulgado ranking da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Formada por 100 filmes, a lista foi elaborada a partir dos rankings pessoais dos membros da entidade, que reúne críticos e jornalistas especializados de todo o país. Em segundo lugar está “Deus e…

Duas ou três coisas que sei dela

Carla Maia* Conheci Chantal Akerman em março de 2009, durante uma retrospectiva de seus filmes, no CCBB Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Fui a curadora do evento, coordenado por mim e Patrícia Mourão. Não era a primeira vez que eu programava uma mostra dedicada à cineasta: alguns anos antes, em 2006, eu organizara…

Chantal Akerman: perfil + entrevista

Leonardo Luiz Ferreira * A diretora Chantal Anne Akerman nasceu na Bélgica no ano de 1950. Ela é filha de pais poloneses e judeus, que fugiram da terra natal devido ao nazismo. Esse caráter de sentir-se estrangeira e deslocada ganha força com o passar dos anos e influencia diretamente no seu cinema. E é exatamente…

“Chantal Akerman de Cá”: crítica + entrevista

Cid Nader* Poder-se-ia pensar, a princípio, que a conclusão de Chantal Akerman de Cá, nos moldes como foi concretizada, refletiria “apenas” um trabalho de referência, de similaridades de ações que evocariam automaticamente a pensar nos realizadores como óbvios fãs e conhecedores do cinema que ela confecciona ao longo de sua carreira. A opção de uma tomada única, sem…

De janelas e lupas

Ivonete Pinto* “Là-Bas” (Bélgica, 2006), na ausência de uma palavra que o defina melhor, é um filme intrigante. A diretora belga Chantal Akerman instala-se em um apartamento em Tel-Aviv, põe a câmera num tripé em frente à janela e deixa a vida (dos outros) passar. Flagra em momentos diversos os vizinhos desconhecidos – que ignoram…

Chantal captou a grandeza dos pequenos gestos

Bruno Ghetti* Chantal Akerman é um caso raro de unanimidade: todos reconhecem seu papel revolucionário. Para um número expressivo de cinéfilos (e quase a totalidade dos acadêmicos), ela merece respeito por ter criado uma obra cinematográfica muito peculiar, marcada por um meticuloso estudo dos gestos humanos, uma atenção especial às questões da mulher e pesquisas…

Panorama 2015: um balanço

Por Cid Nader* Acompanhar a alguma Mostra ou Festival na condição de jurado da Abraccine impele muito mais do que ao isolado exercício e ato de escrever e elaborar sobre os filmes vistos – algo que realmente poderá tocar ou alcançar leitores e autores das obras analisadas numa escala que de alguma maneira dependerá do…