“Carne” aborda questões femininas

Adriana Androvandi

O curta-metragem Carne, dirigido por Camila Kater (Campinas – SP), é um documentário que traz o depoimento de mulheres em diferentes fases da vida, em representações que exibem experiências com distintas técnicas de animação. Conforme a própria equipe do filme divulgou, o roteiro optou por uma metáfora que relaciona o estado de cozimento da carne com o corpo da mulher. Por isso, ao início de cada depoimento, aparece uma das seguintes palavras: crua, mal passada, ao ponto, passada e bem passada, associando-o a  faixas etárias, da infância à terceira idade. A partir da metáfora a que se relaciona, Carne traz as vozes das entrevistas para o filme. Entre elas, a da icônica atriz e cineasta Helena Ignez. A cineasta conta que desde cedo percebeu que seu corpo lhe traria limitações.

As mulheres contam a pressão que recebem no dia a dia para se encaixar nos padrões preestabelecidos na sociedade e as consequências se não o fazem. A vocalista trans Raquel Virgínia, integrante da banda As Bahias e a Cozinha Mineira, relata que percebe que sua presença gera uma energia que incomoda algumas pessoas, contando como exemplo um fato ocorrido com ela em uma festa. Completam o time de entrevistadas Rachel Patrício, Larissa Rahal e Valquiria Rosa. A preocupação com o peso corporal começando desde a infância até a manutenção do útero na fase adulta estão entre outros aspectos abordados.

Carne consegue abordar a temática feminina, em seus aspectos muitas vezes difíceis e dolorosos, com uma estética que alterna cores intensas e esmaecidas, conforme a técnica usada em cada sequência, sem deixar de trabalhar o humor. A ironia se torna um elemento que faz o espectador e a espectadora serem mais facilmente atingidos pela mensagem. Muitas vezes rindo de situações tragicômicas, nos damos conta de que elas não estão tão distantes como parecem à nossa volta.

No Festival de Cinema de Brasília, Carne levou o troféu de Melhor Filme de Curta-Metragem pelo Júri Popular e pelo Júri da Crítica (este concedido por três mulheres da Abraccine). Tendo sido um evento que congregou mulheres em protestos dentro e fora do Cine Brasília, o curta-metragem se tornou mais uma voz no coro que pediu mais respeito e igualdade para as mulheres. O filme também teve participação em festivais internacionais, tendo recebido o prêmio de Melhor Curta no Festival de Havana. Destaque dentro e fora do Brasil, Carne integra a lista dos dez curtas mais votados entre os melhores de 2019 por membros da Abraccine.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s